Reaquecimento gradativo impulsiona contratações no PIM



Reaquecimento gradativo impulsiona contratações no PIM

Após registrar perda de mais de 40,6 mil postos de trabalho, nos últimos três anos, conforme informações dos Indicadores de Desempenho da Suframa (Superintendência da Zona Franca de Manaus), o PIM (Polo Industrial de Manaus) registra uma leve retomada produtiva na contratação da mão de obra. Empresários afirmam que a melhora no segmento industrial é decorrente da injeção do 13º salário no comércio e ainda do melhor desempenho do cenário econômico nacional. Fabricantes dos setores de duas rodas, eletroeletrônico e relojoeiro comemoram aquecimento produtivo para atender ao período de final de ano, fato que consequentemente chega acompanhado de novas contratações e da necessidade do aumento da jornada de trabalho.

O superintendente regional do MTE/AM (Ministério do Trabalho e Emprego do Amazonas), Gilvan Motta, informa que nos últimos dois meses o órgão contabilizou crescimento estimado em 12% na quantidade de horas por jornada de trabalho, em relação às atividades exercidas pelas empresas no primeiro semestre deste ano. Conforme o ministério, as indústrias também informam sobre a contratação de mão de obra sob a justificativa de atendimento à demanda crescente e ainda, em preparação às vendas previstas para o período de realização da Copa do Mundo de 2018. Boa parte dos documentos informativos enviados ao MTE são provenientes dos segmentos eletroeletrônico e de duas rodas.
De acordo com o superintendente, desde o mês de julho as empresas do PIM começaram a enviar pedidos de autorização para a extensão da jornada de trabalho com a realização de horas extras nos dias de sábado, domingo e também nos feriados. Ele afirma que nos documentos as empresas justificam o aumento na demanda produtiva e também informam sobre a contratação de novos colaboradores.

Em setembro deste ano a fabricante Panasonic da Amazônia solicitou autorização para aumento de horas trabalhadas e informou a contratação de 149 pessoas, com previsão de novas admissões em outubro. A implantação da fábrica Boreo Indústria de Componentes, inaugurada no último mês, é responsável pela geração de 280 novos postos de trabalho. Moto Honda da Amazônia, Showa do Brasil, Panasonic da Amazônia, Jabil do Brasil, Climazon Industrial Ltda e Samsung Eletrônica da Amazônia também aumentaram a jornada de trabalho para atender à crescente demanda.

"As empresas do PIM atendem à maior parte da demanda do mercado interno relacionada aos produtos eletroeletrônicos, celulares, ar-condicionados, dentre outros. A proximidade do final do ano resulta no aumento dos pedidos e consequentemente no impulso produtivo e para atender aos pedidos as fábricas solicitam autorização para estender a jornada de trabalho e também passam a contratar nova mão de obra. Outra justificativa citada pelas empresas é a preparação para atendimento às vendas do período da Copa do Mundo de 2018", disse. "Estou otimista porque os números mostram que estamos em um processo de crescimento contínuo, pequeno, mas gradativo, com geração de empregos", completou. 
Segundo o presidente da Fieam (Federação das Indústrias do Estado do Amazonas), Antonio Silva, os polos relojoeiro, duas rodas e eletroeletrônico estão aquecidos e registram novas contratações para atender à demanda de final de ano. Ele atribui a leve retomada fabril como resultado da circulação do décimo terceiro salário liberado pela esfera pública nos últimos meses. "Esses setores estão sendo beneficiados pela leve melhora na economia nacional e local. As empresas estão estendendo os horários trabalhados. Há uma melhora nos resultados produtivos e consequentemente ocorre o fortalecimento na geração de emprego e renda", comentou.

De acordo com o superintendente da Suframa, Appio Tolentino, as fabricantes também têm enviado informações sobre novas contratações à autarquia. Ele afirma que nas primeiras semanas de setembro uma indústria do setor eletroeletrônico informou sobre a admissão de 250 pessoas. Há previsão de a mesma fabricante empregar mais 450 colaboradores antes do final do ano, segundo o superintendente.

Recuperação do emprego
Nos meses de julho e agosto deste ano o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) apontou saldos positivos na geração de empregos por parte do setor industrial. A recuperação aparece após cinco meses consecutivos de perda no volume de postos de trabalho relacionados à indústria, no Estado. Em agosto, o saldo entre as admissões e os desligamentos totalizou 745 novas vagas, com uma variação de 0,47% em relação a julho, quando o saldo foi de 570 postos de trabalho. Quando comparado a agosto de 2016 o resultado entre contratações e desligamentos é negativo de 380 postos.

Medidas para recuperação das vagas
O superintendente da Suframa, Appio Tolentino, destacou que o plano de ações desenvolvido pela autarquia tem como foco a atração de indústrias estrangeiras para operação no polo industrial da capital e a prospecção de mercados estrangeiros para o envio de produtos regionais. 

Ele ressalta que o projeto, que está em fase de implantação e desenvolvimento das atividades, contribuirá expressivamente para a retomada da geração de emprego no PIM. 

"Nosso trabalho tem como foco a abertura de novos mercados para a ZFM. Se quisermos retomar o nível de emprego, será preciso trabalhar algo diferente. Não se pode mais pensar somente em atendimento às regiões Sul e Sudeste, mas é preciso, também atender ao mercado externo", disse. "Devemos ser um órgão de desenvolvimento. Acreditamos que podemos acelerar essa tomada de crescimento de forma mais rápida do que o próprio Brasil porque estamos começando a nos voltar ao mercado externo. Temos missões já agendadas para o Peru e para a Colômbia", adiantou.

Tolentino informou que dentro do projeto iniciado pela autarquia em setembro, a proposta também é estudar a viabilidade logística para o escoamento de produtos regionais com rota passando por Tabatinga em direção ao Pacífico, pelo Peru. 

"Vamos mostrar as potencialidades da Zona Franca e trabalhar o conhecimento do transporte multimodal da Amazônia", citou.

 Fonte: Jornal Comercio On Line

Por: Priscila Caldas pcaladas@jcam.com.br 
23 Out 2017, 18h03