Bom atendimento como diferencial



Bom atendimento como diferencial

Sabendo que o atendimento ao cliente é a principal ferramenta para fomentar os negócios, empresas amazonenses vêm investindo em qualificação profissional para os seus colaboradores. Porém, até pouco tempo, essa era uma prática pouco trabalhada pelas organizações, que preferiam pensar na qualificação como custo e não como investimento. Pesando contra esse pensamento vem os números da pesquisa desenvolvida pela Rede Nacional de Contabilidade, em fevereiro deste ano, que apontou que 68% dos clientes deixam as empresas, devido à má qualidade no atendimento, superando o índice de desistência por conta do preço dos serviços ou produtos.

Mas a cultura de bem atender vem ganhando força. De acordo com o presidente da ACA (Associação Comercial do Amazonas), Ataliba David Antônio Filho, a qualificação e o treinamento são importantes para o aprimoramento da mão de obra e para que o comércio tenha um desempenho satisfatório. "Muitas empresas no Amazonas investem nessa parte de treinamento que é justamente para ter essa mão de obra mais qualificada e pronta para atender", ressaltou Ataliba.

Exigências na contratação
Segundo Vanessa Milon, diretora de Desenvolvimento Humano da ABRH-AM (Associação Brasileira de Recursos Humanos no Amazonas), no Amazonas as empresas adotaram a prática de investir em qualificação. Com isso, é possível perceber a melhora no atendimento tanto no setor de comércio, quanto no de serviços. Prova disso, são os comentários publicados em redes sociais.

"Tem havido uma crescente nas postagens em redes sociais acerca do bom atendimento recebido. Antigamente isso não existia, as pessoas usavam a internet para reclamar, agora não, elas passaram a usar cada vez mais, para demonstrar a satisfação no atendimento. É algo que acontece quando o empresariado faz investimento na qualificação. Isso reflete positivamente na empresa", comentou.
Cada vez mais as empresas estão sendo mais exigentes no momento da contratação, e isso não apenas no setor de serviços, mas em todos os setores. De acordo com a diretora da ABRH, é importante também que os estudantes de nível superior, não fiquem apenas focados em conseguir o diploma, mas que se preocupem em participar de projetos de extensão para obter conhecimento prático sobre o mercado em que vai atuar.

"Nós percebemos que as instituições de ensino tem se aproximado dos RHs, tentando descobrir qual a necessidade das empresas e colocar os seus alunos no mercado, porém, o que notamos é que a maioria dos alunos querem apenas o diploma, pensando que só o diploma vai garantir uma boa colocação no mercado de trabalho. E só diploma sem conhecimento técnico da área não garante nada a ninguém", explicou Vanessa, que completou dizendo que ainda há um longo caminho na conscientização dos universitários.

Diferencial com idiomas
Dados da ABRH-AM mostram que cerca de 90% das empresas no Estado, além de qualificação técnica, preparação no atendimento, também buscam por profissionais que tenham um segundo idioma. A demanda por profissionais bilíngues tem sido crescente, e tem esbarrado justamente na falta de qualificação específica. Segundo Vanessa, as empresas têm deixado de contratar profissionais com qualificação técnica e experiência de mercado, pela falta de domínio e conhecimento de outro idioma.

Treinamento e consultoria
No Amazonas o Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio as Micros e Pequenas Empresas), Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) e Senac (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial) são instituições que fazem parte da história de crescimento do Estado, isso porque estas, ao longo dos anos, formaram milhares de profissionais para o mercado de trabalho. Mão de obra qualificada que atua não somente no PIM (Polo Industrial de Manaus), mas também no comércio, nas áreas da saúde, beleza, gastronomia, moda e construção civil, entre outras.

De acordo com Fabíola Bichara, gerente de negócios e produtos educacionais do Senac, a instituição tem como missão educar para o trabalho em atividades de comércio de bens, serviços e turismo. 

"Oferecemos as melhores soluções em educação profissional que vai desde a aprendizagem comercial aos cursos de nível superior, além disso, somos uma instituição reconhecida pelas empresas do Amazonas", comentou Fabíola.

A matriz curricular dos cursos desenvolvidos no Senac foi organizada de maneira a permitir ao aluno a aquisição de competências profissionais, a compreensão do processo tecnológico e incentivando o desenvolvimento da capacidade empreendedora. "Durante o processo de formação o aluno recebe certificações intermediárias visando sua atualização com o mundo do trabalho e articulação da teoria com a prática, possibilitando a aquisição de competências profissionais", explicou a gerente. 

Além do Sistema S (conjunto de instituições que incluem Sebrae, Senac, Sesc, etc), muitas empresas de treinamento e consultoria passaram a atuar no Estado. Algumas empresas têm promovido workshops com módulos específicos para cada área de atuação. 

"O salto qualitativo no atendimento no Amazonas foi notável, mas ainda tem muitos campos necessitando de melhoria. O comércio não tem o poder aquisitivo da indústria, por isso investe menos, contudo, quando a gente percebe que mesmo com poucos recursos os comerciantes ainda assim investem em qualificação, é um salto positivo para nós", destacou Vanessa, que disse que o Amazonas ainda vai virar o jogo no quesito bom atendimento. "As pessoas vão deixar de dizer que não sabemos atender. É uma luta grande, mas vai dar certo", afirmou a diretora da ABRH-AM.

Feedback
E o diferencial no atendimento também foi sentido pelo novo superintendente do Manauara Shopping, Fábio Deganutti, a receptividade do povo do Amazonas já é um diferencial. "As pessoas em Manaus tem qualificação para prestar serviços ao público, mas pensam que não. E eu percebo que esse atendimento no comércio fica até acima do atendimento prestado em outras regiões". De acordo com o superintende, o Manauara Shopping também tem investido em treinamento, através do Programa Qualifica, que visa dar treinamento para os lojistas. Recentemente, o shopping promoveu um treinamento, com Clóvis de Barros Filho, especialista em ética e treinamento comportamental. "Nós tivemos no Teatro Manauara mais de trezentos funcionários de lojas participando dessa palestra, o que foi muito proveitoso, porque acreditamos que é benéfico, traz conhecimento e qualificação para o trabalho na ponta", ressaltou Deganutti.

Fonte: Jornal do Comercio On Line

Por: Cíntia Valadares cvaladares@jcam.com.br 
27 Out 2017, 20h35